segunda-feira, 11 de abril de 2011

Falando sobre as mulheres e as bruxas : parte III

Escrevi: Em relação ao personagem da bruxa como símbolo, poderá conter diferentes interpretações, pois cada conto a bruxa poderá trazer diferentes aspectos de um mesmo símbolo.
Bonaventure (2000) coloca que:
... não podemos negar que a bruxa, ou as feiticeiras, as deusa guerreiras, as deusa do amor, mulheres fortes, respeitáveis são necessária para a vida”. (Bonaventure 2000, p.16)

Esta autora observa que os contos trazem em seus conteúdos diferentes comportamentos relacionados à mulher, que também são encontrados na vida real. Isso acontece quando diante de determinadas situações, as mulheres se sentem como meninas abandonadas, da mesma forma que Maria do conto “João e Maria”, ou mesmo madrastas perversas, como a madrasta do conto” Branca de Neve”.

Nos contos de fadas a bruxa é uma figura simbólica podendo receber, portanto muitas e distintas interpretações, sendo que uma seria a Grande Mãe. Esta foi a minha leitura sobre a bruxa , a Grande mãe ;

Neumann (1974) coloca que existe uma grande gama de imagens simbólicas que representam a Grande Mãe, que são difundidas através de rituais, mitos, religiões e fábulas, sendo estas representadas por deusas e fadas, ou mesmo por demônios femininos, entidades malévolas e ou encantadoras.
A bruxa dos contos de fadas corresponde, portanto, a polaridade negativa ligada ao arquétipo da Grande Mãe.

O arquétipo da Grande Mãe pode ser entendido através de três aspectos que a simbolizam a mãe bondosa, a mãe terrível e a mãe bondosa – má. É através da mãe bondosa - má que a Grande Mãe pode ser vista, como portadora da possibilidade de unir os pólos, positivo e negativo do arquétipo da Grande Mãe (Neumann 1974). A Mãe bondosa - má pode ser definida por aquela que age como uma pessoa má para proporcionar o desenvolvimento do outro esta citação é muito importante em se tratando da grande mãe.

A simbologia encontrada nos contos de fadas é sempre muito importante isso porque, é através destes símbolos e arquétipos contidos nos contos, que as crianças e adultos, podem transcender aos fatos narrados nos contos para a partir deles compreender, através dos símbolos, diferentes situações as quais passam durante sua vida, re estruturando assim suas vivencias, re significando-as quando necessário para obter uma vida mais saudável.
É este a importância dos contos para a arteterapia a meu ver, trabalhar e vivenciar os contos e trazes a tona o que ficou na sombra para esta re significação , e re estruturação da vida .


Constato, portanto que: Vive-se, portanto, num mundo simbólico, onde a linguagem falada, os gestos, as figuras, os desenhos fazem parte integrante deste mundo, é importante que saibamos entender e compreender esta simbologia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário