terça-feira, 7 de junho de 2011

O feminino nos contos de fadas



Este tema é o nome de um maravilhoso livro de Von Franz, ela estuda e analisa vários contos, sempre focando a mulher nestes contos Este é um tema que muito me atrai, visto que meu foco de trabalho é sempre a mulher.
Estive no início de Maio fazendo uma palestra para professores neste encontro contei o conto de Vasalissa, sendo assim vou fazer aqui algumas colocações sobre este contos através do olhar de von Franz. Esta autora coloca que este conto russo é uma das variantes da Gata Borralheira.
Podemos observar que em muitos contos o pai pouco aparece tendo pouca importância no conto em si, neste conto a figura do pai aparece em dois pequenos momentos; um no início do conto e no final, porém a meu ver sua participação não tem nada de marcante, ele nem é um bom homem, mas não se pode dizer que é mau... Sua presença não interfere no decorrer do conto. Sendo assim não acrescenta nada ao conto. Podemos, portanto observar que é um conto que se passa em um local onde só temos a presença das mulheres, isto é do domínio feminino, pois temos a madrasta, as filhas, Vasalissa e Baba Yaga, acredito, portanto que este conto trabalha com o arquétipo da Grande Mãe, nos pólos positivo e negativo, nos possibilita, portanto olhar de forma ampla para este arquétipo.

Franz coloca que com a morte da mãe logo no inicio da história, a figura materna passa a ser representada pela boneca, e pela benção da mãe, o pólo positivo da mãe, o pólo negativo é representado pela Baba Yaga e pela madrasta e suas filhas .
Vemos segundo Franz que ao morrer a mãe é substituída pela boneca ( não humana ) e que simboliza a mãe em todos os seus aspectos de carinho , amor e acolhimento.
Todos sabemos, que na infância as crianças brincam e falam com suas bonecas, da mesma forma com que as mães falam com seus filhos. Há uma identificação então entre filha e mãe . Em vários estágios da vida as bonecas assumem diferentes papeis por vezes sabemos que crianças dormem somente acompanhadas de suas bonecas , paninhos que seriam elementos que lhes transmitem proteção, penso que como mães a boneca pode ter este papel de proteger, dar aconchego e segurança. São bonecas ou outros elementos mágicos com os quais as crianças conversam que lhes possibilitam sua primeira projeção do SELF, afirma Von Franz.
As meninas com o passar dos anos transferem para a boneca a relação mãe e filha, coloca Franz , esta relação afetiva que vemos no mito Demeter e Core.
Quando criança temos esta grande identificação entre mães e filhas, e por vezes não nos separamos desta identificação, mesmo depois de crescidas.. A morte é sempre um corte uma separação que pode ser muitas vezes benéfica, levando a um crescimento.
É a morte da mãe que propicia o inicio do processo de individuação. Para isso há que passar por provas até que consiga atingir seu intento: ser mulher....
Quand
o olhamos para o pólo negativo deste conto que é representado por Baba Yaga, podemos observar que esta não foi totalmente má, acredito que possibilitou a Vasalissa o seu crescimento, sua mudança de menina para mulher, e ainda lhe deu a possibilidade se livrar das filhas e da madrasta que eram realmente más.


Vamos agora olhar para as tarefas que são impostas a menina por Baba Yaga, a triagem dos grãos é uma das tarefas que Psique tem que realizar, esta prova nos remete a separação de elementos, que exigem paciência e cuidado e calma para sua realização ainda Franz coloca que os grãos tem uma grande relação com a deusa mãe , Demeter , era a deusa dos fertilidade dos Grãos . Lembrando do mito de Eros e Psique temos que uma das provas as quais psique teve que realizar também envolve a separação dos grãos . von Franz coloca que separar os grãos é uma tarefa que requer paciência , calam e minúcia , que são características do feminino, o homem resolve suas situações através de uma outro prisma já a mulher observa detalhes, minúcias , sendo assim ao conseguir se sair bem desta prova , significa que estará livre das garras de Baba Yaga. Grãos são sementes que a meu ver são as nossa possibilidades de crescer , de ressurgir de baixo da terra e dar frutos. Os grãos também nos remetem a deusa Demeter, que era deusa da fertilidade e por ser separada de sua filha deixa a terra sem frutificar até que possa reencontrar sua filha Core.
È interessante observarmos que contos e mitos se entrelaçam, como uma trama de situações que também se entrelaçam na vida .
Outro aspecto importante ressaltar, que tanto nos contos como na vida, as mulheres têm o poder da vida.
Penso que a feminino nos contos de fadas sempre nos faz pensar no arquétipo da Grande Mãe, independente de trazer a tona o pólo negativo ou positivo, creio que há sempre novos olhares e possibilidades de crescer e se transformar.



Bibliografia de referencia

Franz , Marie-louise von



O feminino nos contos de fadas
Ed. Vozes Petropolis RJ ,
1995




Nenhum comentário:

Postar um comentário